13.2.15

All around the (G)Love

O dia mais romântico do ano (ou não) está aí e muitas são as ofertas a nível de doces para esta data. Os mais comuns rodam em torno do chocolate, do vermelho das decorações com corações e/ou rosas.
Mas onde e porquê surgiu esta data?
Uma pesquisa rápida diz-nos que S. Valentim um bispo romano que acreditava no amor continuou a celebrar uniões católicas contra a ordem do imperador Cláudio II o qual proibiu os casamentos no seu reino. A prática foi descoberta e Valentim foi preso e condenado à morte, o que aconteceu no dia 14 de Fevereiro de 270 e daí a origem desta data. Data esta que a antiga Roma também assinalava, celebrando-se as festas anuais em honra de Juno (deusa da mulher e do matrimónio) e de Pan (deus da natureza). Na idade média dizia-se que 14 de Fevereiro era o primeiro dia de acasalamento dos pássaros, no Séc. XVII passa-se a celebrar S. Valentim como a união do dia dos namorados e usa-se o dia para trocar mensagens e bilhetes de amor... E mais marketing menos marketing actualmente são vendidos milhares de cartões e postais, bombons, flores e presentes para marcar a data.
"Eu cá sou mais bolos" e como tal para celebrar decidi fazer dois (três) alusivos ao amor - e também para celebrar o aniversário da mummy. Sim, porque isso de se ficar só por um bolo não nos assiste :)
Nos EUA, um dos bolos mais famosos e comidos é o BOLO RED VELVET. A sua origem não tem nada de romântico, já que surgiu na altura da 2ª Guerra Mundial, no sul dos EUA, época em que os alimentos escasseavam e a beterraba pelo contrário abundava sendo muito usada, inclusive neste bolo dando-lhe a cor avermelhada (corante natural que mais tarde foi trocado por corante alimentar).
No entanto e histórias à parte pela sua cor, pela sua textura aveludada, por ser extremamente doce, não há bakery especializada que por este mundo fora nesta data não foque o seu menu neste pequeno pecado.


"It's not perfect but it's all yours"
 Uma outra história bem mais interessante é a lenda na origem do BOLO DE AMOR PERSA, segundo a qual uma jovem apaixonada por um príncipe Persa e decidida a fazê-lo apaixonar-se faz este bolo cheio de especiarias, sabores persas e "poderes mágicos". Com ingredientes encantados como o cardamomo (sendo este tido como a rainha da especiarias e usado em forma de incenso por Cleópatra quando recebia Marco António, pois como é referido nas histórias das "mil e uma noites" é um poderoso afrodisíaco).
Apesar de existirem algumas variações nas receitas (como mostro abaixo, na versão gourmet e na versão supreme) esta é sem dúvida uma criação muito exótica e requintada, talvez a mais extravagante que provei até hoje.


"Passion makes the old medicine new;
Passion lops off the bough of weariness.
Passion is the elixir that renews;
how can there be weariness
when passion is present?
Oh, don't sigh heavily from fatigue;
seek passion, seek passion, seek passion!"


"This is love: to fly toward a secret sky,
to cause a hundred veils to fall each moment.
First, to let go of live.
In the end, to take a step without feet;
to regard this world as invisible,
and to disregard what appears to be the self. 
Heart, I said, what a gift it has been
to enter this circle of lovers,
to see beyond seeing itself,
to reach and feel within the breast."

Excertos de poemas de Rumi, um dos maiores poetas Persas.

Sem comentários:

Publicar um comentário