30.12.16

Balanços, retrospectivas e outras coisas que tal...

Após um ano trabalhoso, produtivo mas muito emocional e antes dele terminar dou por mim a fazer o habitual balanço.
Pela primeira vez propus-me verdadeiramente a algumas resoluções, as quais digo com muito orgulho que cumpri as principais. Muita coisa não consegui realizar nem fazer, mas dou-me por feliz por isso, para o ano tenho mais coisas por que lutar!
Tornei-me mais saudável, comecei a fazer exercício (que entretanto ficou em pausa neste final de ano), deixei oficialmente de fumar, tornei-me vegetariana e tenho uma alimentação mais cuidada, mas continuo a comer bolos (os meus) algumas vezes por semana :)
O próximo passo é torná-los ainda mais saudáveis, assim não tenho que me preocupar com esta questão.




Este ano foi até agora o melhor de todos a nível profissional. A Bakewell cresceu, conheci grandes profissionais (e já não posso viver sem alguns), fiz trabalhos maravilhosos e a sorte de participar em lindos e grandes projectos, tive algumas parcerias e só espero que o próximo ano me traga pelo menos metade do que tive neste.
Tive que descurar a vida pessoal por este motivo; dormi e descansei muito pouco, as férias foram mais curtas, os encontros com amigos e familiares aconteceram menos vezes, mas como em tudo temos que ter prioridades e quando sabemos o caminho que temos que seguir por muito difícil e custoso que seja existem escolhas a ser feitas e este ano o caminho que eu tinha que percorrer era este e no final tudo fez e continua a fazer sentido.




Descobri o meu primeiro cabelo branco e, ainda bem que é mito a frase "as dores de cabeça dão cabelos brancos", senão eu já estaria com o meu cabelo bem na cor da moda...
Ao menos isso, o cabelo branco é só um, mas sinto que este foi um ano em que envelheci notoriamente... nunca tinha dado por mim a reparar nisso, nas rugas, nas expressões, na frescura que já não é a mesma, mas este ano reparei simplesmente porque já se começa a notar. Não é de todo mau, da maneira como eu já me tratei devo sentir-me feliz por na maior parte das vezes ainda não me darem a idade que tenho, por isso levarei com a leveza necessária a questão do envelhecimento... ou não, talvez para já possa garantir que sim! A jovialidade essa, irá manter-se para sempre no espírito.
Ainda que a palavra que mais tenha usado neste ano, sem necessidade de estudos ou estatística, tenha sido "cansada", é um cansaço que na maior parte das vezes no final do dia compensa e vou para a cama muito mais feliz... Mas este foi sem dúvida o ano mais desgastante de sempre, física e emocionalmente. Nem tudo correu bem mas isso pode sempre ser minimizado comparando com as coisas boas que aconteceram... Ainda assim espero que o próximo ano seja mais "leve" e sereno. A vida nem sempre nos sorri mas essa é a melhor altura para parar, pensar e sorrirmos nós de volta.
Este ano foi negro para muita gente e em muitas vertentes; partiram muitas figuras de destaque ou não, mais próximas de mim ou não, houveram inúmeros momentos e acidentes marcantes, atentados e catástrofes naturais... Já há muito que ouço dizer "podes ir embora 2016" ... E sei que o próximo ano será certamente melhor!



Fica aqui o último bolo de aniversário de 2016, um bolo rico de chocolate e café feito com um ar (ainda) bem natalício para celebrar os 81 anos do meu querido e único avô.
Resta-me desejar-vos um bom final de ano e que 2017 seja brilhante e que este novo ano seja muito positivo a todos os níveis! Felicidades para todos. 

24.12.16

Que seja um bom Natal...

Em cima da hora mas ainda a tempo de desejar a todos um maravilhoso Natal, seja ele da forma como escolherem...
Porque o Natal para além de ser quando, é também como o homem quiser e o que ele representa também. Natal é amor, é família, é alegria, é sobretudo amizade...
Este topper feito pela Rita da Vive la Fête é a ilustração disso mesmo, torna um bolo e uma mesa ainda mais bonitos e transmite a mensagem na perfeição. Vejam todas as possibilidades e outras mensagens na página e aproveitem para dar uma vista de olhos aos lindos artigos festa, que vos ajudarão a organizar as vossas!





E porque estamos no final mês e do ano aproveito para deixar uma receita extra, porque esta é uma altura especial e de partilha. Típica da época mas deliciosa para saborear durante todo o inverno nos dias frios que ainda agora começaram: um vinho quente com especiarias ou Mulled Wine.

Embora se creia que teve origem na Roma antiga o certo é que é uma bebida típica europeia, principalmente dos países do Norte.Em Inglaterra é muito bebida a partir do Halloween e muito mais na altura do Natal e foi em Londres que provei pela primeira vez numa das suas inúmeras feiras de Natal e apesar de não ser a maior fã de vinho tinto adorei pela combinação de sabores e por toda infusão que oferecem os citrinos e as especiarias. Não sei se foi por ser na minha cidade preferida, aquela que procuro para me fazer crescer o espírito natalício, mas o que é certo é que cá também tem a sua magia. Mas as versões irlandesas e nórdicas, sempre com algumas variações, também são deliciosas.

Sugestão: Degustar antes ou depois da refeição, servido por exemplo com uma fatia de bolo rei.

Vale a pena experimentar, garanto que não sairão desiludidos (e o cheirinho que deixa pela casa é simplesmente divinal).



Ingredientes
1 garrafa de vinho tinto à escolha
Casca de 1 laranja (poderão juntar também rodelas da mesma para enaltecer o seu sabor)
Casca de 1 limão ou lima
2 paus de canela
10 cravinhos
1 vagem de baunilha aberta ao meio
2 colheres de sopa de açúcar 
10 vagens de cardamomo (opcional)
1 estrela de anis (opcional)

Levar um tacho ao lume com todos os ingredientes, menos o vinho (pois senão o álcool evapora).
Juntar um pouco de água, o suficiente para cobrir o fundo do tacho e deixar ferver criando uma espécie de xarope que irá possibilitar a infusão das especiarias e dos citrinos.
Depois de ferver durante uns minutos baixar a temperatura e juntar o vinho. Deixar no mínimo por cerca de 1 hora com a tampa, depois de pronto deve-se coar e pode então servir.



Espero que esta época seja para vocês tão mágica quanto estes exemplos e que a alegria característica do Natal se prolongue por todo o ano.

21.12.16

Sonhos de uma noite de Natal...

Este foi um mês com alguns doces natalícios, cada qual ajustado à situação e o bolo que se segue foi o escolhido para as sessões de Natal levadas a cabo pela Pedaços de Luz Fotografia com o decor e styling da responsabilidade de O Filho da Rosa


Um bolo para representar um mundo encantado visto pelos olhos das criança, um quarto especial que permite à criança que todos os seus sonhos se tornem realidade; foi este o cenário criado para as sessões deste ano.
A minha visão aqui foi uma casa na árvore, disfarçada para esconder os seus mágicos habitantes: os pequenos homens de gengibre. 



Ainda antes do Natal publicarei uma receita extra, muito especial, porque este mês e as festividades que temos pela frente merecem!


16.12.16

Nos preparativos das festas...

Confesso que a cada ano que passa sou menos adepta do Natal, o espírito não me atinge muito ... Muita coisa haveria por dizer mas vou deixar essas coisas menos boas só para mim...
Ainda assim, o que eu gosto mesmo é do que se come nesta altura. Os cheiros são especiais, os sabores são únicos e tão típicos que não como em mais época nenhuma do ano para "não estragar". Sejam as rabanadas ou o leite creme, que tento replicar das receitas da saudosa minha avó... ou apenas os legumes cozidos que de tão simples que são até eles são diferentes nesta altura.
Uma das coisas que faço ou como apenas nesta quadra são as bolachas, sejam elas de canela ou gengibre, tão típicas do Natal. E é precisamente uma receita de bolachas de gengibre e limão que este mês trago em parceria com o Intermarché de Penafiel e Paredes.
Perfeitas para acompanhar com um chá antes ou entre festividades, para pôr numa caixa ou saquinha de papel bonita e oferecer. Ou para guardar numa latinha e ir degustando lentamente com quem mais gostamos...




Ingredientes

300g farinha sem fermento Chabrior
1/2 colher de chá de sal marinho
1 colher de chá de bicarbonato de sódio Cigalou (ou 1/2 colher de chá de bicarbonato de sódio + 1/2 de cremor tártaro)
120g de manteiga sem sal Primor à temperatura ambiente
120ml de azeite suave Lagar
65g de açúcar em pó
100g de açúcar Fazenda
1 ovo grande
1 colher de chá de gengibre em pó Cigalou
Raspa de 1 limão grande


Indicações

Peneirar a farinha, o sal, o cremor tártaro, o bicarbonato de sódio, o gengibre e reservar. Bater a manteiga, o azeite, o açúcar em pó e o açúcar granulado na batedeira à velocidade média até ficar macio.
Juntar o ovo e a raspa de limão até ficar bem combinado, reduzir a velocidade da batedeira e adicionar a mistura da farinha lentamente até ficar completamente incorporado. Cobrir com película aderente e levar ao frigorífico pelo menos durante 1 hora ou preferencialmente durante a noite.
Quando a massa já tiver refrigerado, pré-aquecer o forno a 190ºC graus e prepara-se os tabuleiros do forno com papel vegetal.
Pode com um rolo trabalhar a massa de forma a que possa usar um cortador de bolachas com o formato desejado, ou formar pequenas bolas com cerca de 2 ou 3 cm de diâmetro e colocar no tabuleiro bem espaçadas entre si e achatar com um garfo, dando-lhe assim uma forma mais rústica.
Levar depois ao forno e cozer durante 7 a 10 minutos até ficarem ligeiramente douradas, dependendo do seu tamanho e formato.
Deixar arrefecer depois numa grelha antes de servir.
Polvilhar com açúcar em pó, decorar com glacé são apenas algumas das sugestões de apresentação.

Nota/curiosidade: Esta receita quase que tinha um final pouco feliz, pois não a apontei logo a seguir a ter feito e só aos poucos me fui lembrando das quantidades e porções... Espero que tenha valido a pena e que vão ainda a tempo de adoçar muitas bocas este Natal.
Todos os ingredientes estão disponíveis no seu Intermarché.

A foto maravilhosa é da já habitual responsabilidade da minha querida Manuela - Pedaços de Luz Fotografia

29.11.16

O conforto numa tigela

Tive a felicidade de provar pela primeira vez uma "canjinha" vegetariana num evento este Verão. Fiquei com imensa curiosidade e com vontade em reproduzir esta pequena maravilha até que a minha querida irmã me deu uma receita do livro "Cozinha Vegetariana para bebés e crianças" da Gabriela Oliveira.



Não é propriamente uma receita que publicaria aqui, mas como tanta gente me enviou mensagem a pedir para partilhar quando publiquei uma foto do resultado final que resolvi então fazê-lo.

É uma adaptação com algumas diferenças, para ver a receita da Gabriela Oliveira dêem uma vista de olhos ao livro.

Ingredientes

200g de Pleurotus
1 ou 2 cebolas (a gosto e conforme o tamanho)
2 dentes de alho
1 ou 2 cenouras (a gosto e conforme o tamanho)
9 colheres de sopa de massinhas à escolha
1 raminho de salsa
sal marinho 
6 chávenas de água quente (ou metade da quantidade de água e a outra metade de caldo de legumes)
1 colher de sopa de azeite biológico
Opcional: 1 colher de sopa de levedura nutricional


Indicações 

Numa caçarola deite a cebola e os alhos picados, a cenoura em rodelas finas, os cogumelos em tirinhas, a salsa e o sal. Adicionar a água (e o caldo de legumes caso use) e levar a cozer 8 a 10 minutos.

Juntar as massinhas e o azeite e deixar cozinhar por mais 10 minutos ou até ficarem macias.

Depois é só juntar a levedura nutricional (caso optem por usar), servir e sentirem o conforto a chegar ao vosso estômago num instante.
É super rápida, prática e ideal para dias frios e/ou desconsolo, garanto que todas as forças serão respostas!




23.11.16

Aniversários de Outono, no feminino

No início do mês dei conta de alguns exemplos de bolos de aniversário masculinos, mais simples, clássicos e sóbrios.
Hoje é a vez de mostrar alguns mas desta vez para aniversários no feminino. Mais floridos e coloridos, mais expansivos e alegres :)






Nos bolos de e para mulheres dá sempre para dar mais asas à imaginação. Este bolo é de lima com doce de amora, fresco e com sabores a relembrar o Verão.

Estes são dois exemplos de um dos sabores mais pedidos, seja para homem ou mulher: cenoura e noz pecan. 

Com uma decoração bem elegante, com um toque de ouro para os festejos de 1/4 de século!

E por último, um dos meus sabores preferidos: alecrim com citrinos. Decorado com flores orgânicas da época, as delicadas zínias. 













18.11.16

A histórica fruta da época

Com quase 2 séculos de existência, a pêra rocha foi identificada na zona de Sintra e a sua produção concentra-se na zona do Oeste de Portugal (por isso se chama pêra rocha do Oeste) e é abrangida por uma Denominação de origem demarcada. A partir daqui é exportada para todo o mundo onde é muito apreciada; é um facto incrível mas devo confessar que tantas vezes negligencio este fruto. Ou porque está verde ou então porque depressa amadurece até um ponto que já não o consigo comer, por isso não consumo com tanta frequência quanto deveria.
Mas esta pequena delícia pode mudar isso, é boa com pêras verdes ou mais maduras, sendo que o resultado será sempre diferente mas garantidamente bom.
Esta é a receita do mês em parceria com o Intermarché de Penafiel e Paredes, uns muffins de pêra e gengibre super simples de preparar e óptimos para qualquer ocasião. Como sobremesa, a acompanhar um chá ou para aqueles momentos de desconsolo que as especiarias conseguem preencher.


INGREDIENTES para 12 muffins

130g de farinha sem fermento Chabrior
130g de açúcar amarelo
1 colher de chá de fermento Chabrior
1/2 colher de chá de canela em pó Cigalou
1 colher de chá de gengibre em pó Cigalou
90g de crème fraîche Páturages
60ml de óleo de girassol Bouton D´Or
1 colher de sopa de mel
2 ovos médios
3 pêras rocha Programa Origens

Mistura para polvilhar: 1 colher de chá de canela + 1 colher de sopa de açúcar amarelo ou mascavado.







INDICAÇÕES

Pré-aquecer o forno a 180ºC e preparar a bandeja de muffins com as 12 forminhas.
Descascar as pêras e cortar em cubos, regar com limão para não oxidar e reservar.
Misturar numa taça grande a farinha, o açúcar, o fermento e as especiarias.
Noutra taça juntar os ingredientes líquidos: o crème fraîche, o óleo, o mel e os ovos; deitando depois esta mistura sobre os ingredientes secos. Envolver tudo apenas até ficar bem incorporado sem bater demasiado.
Adicionar por fim a pêra e misturar na massa, dividir pelas forminhas enchendo até 3/4, polvilhar com um pouco da mistura de canela e açúcar em cada um e levar ao forno cerca de 20 minutos.

Depois de prontos retirar do forno, deixar arrefecer completamente na grelha ou servir mornos (se não conseguir esperar, são ainda mais viciantes).
Um bom fim de semana, desfrutem.






14.11.16

Fallen Leaves - O Outono da Bakewell

Continuo nas nuvens de cada vez que penso neste trabalho.
Foi um dia maravilhoso, passado num alvoroço, a lutar contra o tempo e a falta de luz natural, na melhor companhia e com as pessoas mais talentosas que tive o prazer de conhecer. Sinto-me uma sortuda por tê-los presentes na minha vida!
A premissa era simples, fazer uma produção que espelhasse o Outono. Tudo relacionado com a natureza: as folhas, as cores quentes, o regresso do frio, os sabores, os figos e as avelãs ...  tudo se encaixou, as ideias foram ao encontro umas das outras e o resultado não poderia ter sido melhor.


Um dos bolos que melhor caracteriza o Outono e um dos mais escolhidos desde sempre é o bolo de cenoura e noz pecan. Com um toque de especiarias a sua presença era obrigatória neste dia e foi muito bem representado nestes mini bolos com a companhia do lindo postal feito pela Diana da Éme - Design; não deixem de espreitar o seu trabalho tão bonito quanto delicado.
Este penteado maravilhoso, sóbrio e elegante foi da responsabilidade do Pedro Netto. Só agora conheci e já estou encantada com o seu trabalho.


O incrível cenário foi todo ele criado pelo meu querido Luís, mais conhecido como O Filho da Rosa. Os arranjos florais ficaram de sonho, muito melhor do que eu alguma vez imaginei...


Aqui, o elemento principal, o bolo da estação: de avelã e compota de figos. A combinação é perfeita e os figos são uma aposta ganha onde quer que estejam. A cada ano gosto mais deste fruto e tento que seja sempre um ingrediente presente, tanto em doces como salgados.

O resultado final deste trabalho termina com um vídeo mágico, que não consigo parar de ver, feito pela dupla Bruno & Joana da Ninho, que infelizmente parece ser grande demais para eu conseguir carregar.
Para quem ainda não viu está disponível na página de facebook da Bakewell , de qualquer das formas deixo aqui o link directo para o mesmo:


E por último, todas estas fotos lindas como já nos tem habituado, são da responsabilidade da Manuela da Pedaços de Luz.
Espero que gostem tanto quanto nós!


9.11.16

Aniversários de Outono, no masculino

Estas últimas semanas têm sido de muito trabalho e eu fico muito feliz que assim seja mas por isso e mais uma vez a disponibilidade para aqui vir deixar umas palavrinhas e o testemunho de alguns bolos fica comprometida e passa a ser muito reduzida. Para não deixar passar mais tempo nem acumular doçura resolvi mostrar que os bolos de aniversário no masculino ainda que não levem flores ou elementos mais coloridos, podem também eles ser decorados de forma personalizada, especial e igualmente deliciosa. Deixo-vos aqui alguns exemplos do que têm sido esses bolos nesta estação.

Curiosamente os sabores mais escolhidos pelos homens e também por estarmos já numa estação mais fria, e que pede sabores mais intensos e ricos, são os bolos de cenoura e noz e o bolo de chocolate (como o que se vê na foto acima).

Nestes dois casos o sabor escolhido foi o de cenoura e noz pecan, uma dos bolos mais apreciados da Bakewell.

Numa futura publicação irei mostrar o lado feminino dos bolos de aniversário da estação quente e colorida em que estamos. 







29.10.16

O mês cor de abóbora

As cores predominantes neste mês foram o amarelo e o laranja, as folhas das árvores vestem-se de tons quentes e o que a estação pede é mesmo isso, algo que traga conforto e seja quentinho.
Mesmo antes do final do mês e ainda a tempo do Halloween esta receita não podia ser mais apropriada.
Mudamos um bocadinho o que tem sido apresentado até agora e a receita do mês em parceria com o Intermarché Penafiel e Paredes é um belo creme de abóbora, rico, com um toque picante e exótico para acompanhar as festividades.



Ingredientes

(Serve 4 pessoas)

1,300 kg de abóbora
1 cebola grande
4 dentes de alho
1 malagueta
1 raminho de salsa
1 lata de leite côco
3 colheres de sopa de azeite
75g de sementes de abóbora
1 colher de sopa de caril
Sal, pimenta e curcuma a gosto

Indicações:

Pré aquecer o forno a 200ºC.
Dispor num tabuleiro as sementes de abóbora e tostar por cerca de 5 minutos. Deixar arrefecer enquanto se prepara a sopa. Juntar depois a salsa picada e temperar com sal e pimenta, misturar bem e reservar.

Descascar e cortar em bocados a abóbora, a cebola e malagueta, esmagar os dentes de alho com a casca e dispor tudo no tabuleiro do forno temperando com o caril, sal, pimenta, sal e o azeite. Ir mexendo de vez em quando para não queimar. Cozinhar até a abóbora ficar dourada e macia, cerca de 45 minutos.

Depois de tudo cozinhado retirar a pele do alho e reduzir a puré; juntando também a curcuma, o leite de côco (de meia a uma lata, conforme o gosto) e 2 canecas de água.
Rectificar os temperos e juntar mais água se necessário.
Servir com a mistura das sementes (que pode modificar ou adicionar outras).






Desfrute deste creme bem quentinho numa noite de Outono ou porque não servir na noite Halloween para aquecer o coração (garanto que a malagueta aquece mesmo) e o estômago antes dumas quantas travessuras?!

Nota: todos os ingredientes disponíveis no seu Intermarché.






21.10.16

A nostalgia dos figos...

Este último mês tem sido para mim representado pelos figos e tenho-os aproveitado ao máximo. Este ano e mais que nunca tive a sorte e felicidade de ter amigos que me ofereceram uns quantos figos, dos pretos (os mais deliciosos e bonitos que já comi) e dos verdes, os melhores e mais indicados para a minha mãe fazer um maravilhoso doce.
Tenho usado figos em tudo e acho que nunca comi tantos como este ano, nas taças de pequenos almoços, em tostas com queijo creme e mel, na decoração de bolos ou simples como gostavam as minhas avós de os comer.
Este é fruto que me faz lembrar das minhas avós, ambas adoravam figos e sempre que os como me lembro delas. Ou porque me faz lembrar quando tirei a carta e levava a minha avó Glória a tratar dos seu afazeres e depois parávamos em Entre-os-Rios para ela comprar os seus tão adorados figos ou porque é o figo que retém as últimas memórias que tenho da minha avó Guidinha. Este é fruto por excelência que me vai fazer para sempre recordar das minhas saudosas e queridas avós.



Aqui aparecem os poucos figos que tive este ano em casa, pequeninos mas saborosos. Acompanham neste caso uma granola caseirinha que é absolutamente viciante. Adoro granola e ainda mais esta feita por mim, inspirada na melhor do mundo, a que é servida ao pequeno almoço no Luz Houses.



Este prato diz tudo, este fruto e nesta cor são de uma beleza e exotismo extremos. Todos os figos que comi e fotografei este ano foram biológicos, com um sabor verdadeiramente genuíno.
Vou aproveitando os últimos que tenho e esperar agora que os dióspiros fiquem também eles prontos a colher para eu me deliciar.
Bom fim de semana!











7.10.16

O que muda numa estação

Assisto nos últimos tempos a conversas e publicações de amigos, conhecidos e desconhecidos sobre mudança...
Mudança de vida, mudanças profissionais, pessoais e familiares, mudanças de estilo de vida, mudança de estado civil, mudança interna, mudança externa...
Não pode ter apenas a ver com a nova estação, mesmo que ela seja representada por todo um conjunto de alterações na natureza, poderão essas alterações também repercutir-se em nós? Terá a ver com novos impulsos, coragem e tomadas de iniciativa?
O que interessa é que duma maneira ou de outra, directa ou indirectamente a mudança me rodeia e mesmo para mim, este ano mesmo que ainda faltem 3 meses para terminar está repleto de mudanças, a todos os níveis e quero eu acreditar que irão ser todas, sempre e para sempre para melhor.
Para que hajam mudanças temos sempre de sair da nossa zona de conforto.
E no fim de semana passado isso aconteceu e a propósito de mudanças, "mudei" um pouco o meu estilo para um estilo à lá Migalha Doce no último workshop do ano pelo Norte, na escola de culinária da minha querida Maria João - Clavel's Kitchen em Matosinhos.
Com técnicas exímias, duma perfeição, metodologia e trabalhos incomparáveis a Sandra Bernardo é a minha "ídola" portuguesa. Tenho a sorte de já ter provado os seus bolos, pois eles vão muito para lá de autênticas obras de arte, são também exemplos de autênticas delícias.



Deixo-vos com um dos exemplos criados ao longo dos 2 dias de workshop, onde conheci pessoas incríveis com enormes talentos e onde revi pessoas que gosto tanto e tão bem quero! Adorei pôr em prática esta técnica e conseguir este resultado através de uma imagem que nos serviu de inspiração (neste caso foi a de uns copos de cerâmica da marca Dinamarquesa que tanto adoro Studio Arhoj).












Agora é pôr em prática mais vezes o que se aprendeu sem nunca perder o meu "estilo" que tanto gosto e dizem que me caracteriza mas mudar algumas técnicas de trabalho, sempre para melhor.

30.9.16

Dar as boas vindas ao Outono

Ainda que os dias continuem quentes e ensolarados e que ele tenha entrado devagarinho, envergonhado e apenas a fazer-se sentir com os dias mais curtos e as noites mais frias o que é certo é que num ápice já estamos no Outono... A cada ano que passa aprendo a gostar mais de cada estação, do que elas têm para nos oferecer e das mudanças que trazem. O Outono nunca foi uma das minhas estações preferidas, sempre significou para mim o fim dos melhores meses e da minha altura do ano preferida e por isso representava uma estação triste e de nostalgia. Agora vejo-o de outra forma, com as suas cores quentes, as folhagens que deixam o chão dos campos e jardins preenchidos por tantos e lindos tons.
O Outono significa agora para mim terminar os projectos de Verão que se fazem no exterior, para que quando vier em força tudo esteja preparado para o receber. Seja com abóboras, o seu doce e o cheiro a canela, seja a preparar os vasos e a horta para o frio que aí virá. Seja a preparar receitas novas, com sabores mais quentes e que fazem apetecer fazer um chá quentinho e convidar os amigos para um lanche no conforto de casa, no interior que começa a ser mais chamativo. E eu que sou tão exterior, do campo e do pé descalço na relva ou na terra começo agora também a apreciar todos estas pequenas coisas que o Outono tem para oferecer.
Uma das suas oferendas são as maçãs, que começam a preencher as árvores nos pomares e que são uma das frutas características da estação, nada mais apropriado para a receita do mês em parceria com o Intermarché de Penafiel e Paredes.
Com inspiração francesa mas com fruta bem nacional, este mês fazemos uma Tarte Tatin, simples e com um cheirinho e sabor bem ao gosto da estação.

Esta publicação tem a participação especial da Pedaços de Luz Fotografia, responsável por estas fotos lindas e que tão bem captou esta Tarte Tatin.



Ingredientes

4 maçãs programa origens (usei 2 golden e 2 starking)
100g de manteiga amolecida Terra de Sabores
100g de açúcar Fazenda
1 vagem de baunilha Chabrior
2 embalagens de massa folhada Top Budget


Indicações

Pré aquecer o forno a 180º C
Descascar e cortar em 4 as maçãs, regar com um pouco de sumo de limão para não oxidar enquanto se prepara o resto.
Dispor a manteiga uniformemente numa "frigideira" que possa ir ao forno. Deitar por cima também de forma uniforme o açúcar e depois de cortar a vagem de baunilha ao meio coloca-se em forma de cruz no fundo da frigideira. Está agora na hora de dispor as maçãs de lado de forma a que fiquem bem alinhadas e no mesmo sentido.
Nesta altura as duas embalagens de massa folhada já devem estar fora do frigorífico e colocam-se uma em cima da outra pressionando com um rolo da massa para que fique apenas uma, mais grossa, firme e que vai aguentar melhor os sucos que se vão criar quando as maçãs e os restantes ingredientes começarem a cozinhar.
Dependendo do tamanho da frigideira que usarem cortam a massa folhada com o diâmetro equivalente ou um pouco maior para criar um rebordo mais largo e reforçado e depois cobrem as maçãs com o cuidado de tapar todo o recheio. Dão-se uns golpes na massa e leva-se a cozinhar no fogão a temperatura média/alta cerca de 15 minutos, abanando de vez em quando com cuidado para ir espalhando pela frigideira a manteiga e o açúcar tocando até no rebordo da massa folhada para que fique mais crocante e até que sintam que os sucos começam a engrossar e caramelizar, aí leva-se ao forno e deixa-se por mais cerca de 25 minutos até que a massa fique douradinha.
Retira-se do forno, deixa-se arrefecer ligeiramente antes de virar para um prato.
Pode servir-se fria ou ainda morna, com uma pitada de canela e acompanhada com gelado de nata Adélie tal como fizemos aqui.



Nota: Eu poderia (deveria) ter deixado mais tempo no fogão, pelo que as maçãs não caramelizaram o suficiente. Por isso esse é um passo que devem ter mais em atenção se quiserem um resultado mais douradinho.

Experimentem e digam de vossa justiça se não é uma sobremesa digna desta estação?

Nota: Todos os ingredientes estão disponíveis no seu Intermarché.






8.9.16

Mais 1 ano e motivo de celebração

Faz hoje 1 ano que resolvi criar a página de facebook da Bakewell. Muita gente já o tinha sugerido, por ser mais prático, fácil, por ser uma rede social que toda a gente usa e porque a visibilidade seria outra. Adiei durante algum - muito - tempo, enquanto pude esse passo e decisão.
A verdade é que ainda no próprio dia comecei a receber mensagens e a Bakewell que até então tinha apenas esta página cresceu exponencialmente.
Não tenho todo o tempo que desejaria para gerir da melhor forma ambas as plataformas e para pôr em prática todos os projectos e ideias que borbulham na minha cabeça, mas vou conseguindo mostrar algum do meu trabalho e da maneira que posso vou dando o meu melhor.
Por isso e porque já passou 1 ano e porque as inspirações, ideias e objectivos são outros vão surgir algumas mudanças, que para já ainda estão em fase experimental e de "laboratório" mas que muito em breve serão bem visíveis por aqui e mostradas no facebook.
Quero agradecer mais uma vez a todos (e porque nunca é demais), pelo encorajamento e constante apoio, obrigada a quem me segue e continua a confiar e preferir o meu trabalho. Irei sempre dar o meu melhor, fazer o meu trabalho com o maior amor e nele depositar todo o carinho, rigor e dedicação, que toda a gente sabe que o caracteriza.




Antes de terminar o Verão e porque me quer parecer que apesar de no calendário faltarem apenas 2 semanas para a estação quente terminar ele não vai embora tão cedo, quero mostrar um dos bolos que melhor caracterizou esta estação e que com os seus sabores frutados, doçura e simplicidade muitos conquistou.
Foi fotografado pela minha querida Dulce Daniel, por isso o resultado final e as fotos ficaram ainda mais bonitas e especiais.
Este bolo serviu para celebrar o aniversário de uma das minhas irmãs e eu adoro fazer bolos para celebrar, celebrar por si só porque todos os dias arranjamos motivos para o fazer.

Summer Solstice Cake

16.8.16

Amora do meu coração

A natureza é incrível e cada vez que sou mais conhecedora e me interesso mais por seja qual for o assunto que lhe diz respeito me impressiono e me fascino mais.
Já fui mais fã do Verão mas adoro esta altura do ano porque adoro frutos vermelhos e dum ano para o outro a minha pequena produção biológica tem crescido e é lindo de ver as suas transformações, os estágios por que cada planta passa até chegar ao amadurecimento e nos dar aquela que é a sua coisa mais preciosa: o fruto.
Se no ano passado as amoras que colhi cabiam numa mão este ano estou a ser brindada por kgs destas lindas pérolas negras. Tenho usado em doces para recheios, nas decorações dos bolos porque acho que são tão belas e dramáticas e como são tantas acabo por usar imenso em batidos e mesmo congelar para que não lhes sinta a falta o resto do ano.





E por isso e como neste momento são as meninas dos meus olhos, aqui deixo alguns exemplos do uso que lhes ando a dar.


Este pequeno pedaço de mau caminho é uma indulgência de chocolate negro, recheado de doce de amora e morangos.



Aqui um "pequeno" só no tamanho mas grande no sabor, mini wedding cake de lima e amora.



Para terminar um pormenor de um outro bolo de lima e amora, e de um topper Mimia. Aquando do pedido da cliente e da sua inspiração identifiquei-me logo, porque partilho da mesma opinião. A idade é apenas um número e não tem nada a ver com quantos anos temos mas quantos anos de alegria, felicidade e divertimento já tivemos. Que sejamos sempre jovens, nem que seja no espírito e na atitude!
E porque o meu aniversário está a dias, este é também o meu mote.
Agora vou ali aproveitar as minhas tão esperadas férias, celebrar o meu dia de anos, descansar e volto em Setembro!






Os pêssegos mais suculentos

O Verão continua em alta, o trabalho tem sido tremendo e por isso as publicações este mês não aconteceram e apesar da dificuldade com que me tenho deparado em utilizar o forno devido às altas temperaturas nem por isso tive a ideia mais fresca para a receita deste mês em parceria com o Intermarché. O que se passa é que na realidade eu não sou grande fã de sobremesas de verão e os gelados nunca foram a minha perdição, a não ser como acompanhamento de algo e aí o caso muda de figura.
O que proponho este mês vai de encontro a essa premissa: uma Galette de pêssego e nectarina acompanhada por um fresco gelado de nata, que é tão rápida e fácil de fazer que nem custa usar o forno, até porque... o resultado é delicioso!




Ingredientes

1 embalagem de massa quebrada Monique Ranou
3 nectarinas e 2 pêssegos maduros Programa Origens (bem doces e suculentos)
2 colheres de sopa de açúcar Fazenda
1 colher de sopa de farinha sem fermento Chabrior
Raspa e sumo de um limão
Umas folhas de tomilho-limão fresco mais uns pezinhos para decorar (opcional)
1 ovo tamanho L Ovos do Monte
2 colheres de sopa de açúcar mascavado ou demerara
75 a 100 g de manteiga Terra de Sabores
1 embalagem de amêndoa moída Paquito

Indicações

Pré aquecer o forno a 220C e desenrolar a massa quebrada num tabuleiro de ir ao forno, mantendo o papel vegetal que vem junto a forrar. Com a ajuda duma colher de sopa fazem-se 5 montinhos de manteiga no centro da massa e cobre-se com metade da amêndoa moída, reserva-se enquanto se prepara o recheio.

Descascam-se os pêssegos e as nectarinas e cortam-se fatiados para uma taça grande, onde se junta o açúcar, a farinha, a raspa e um pouco do sumo de limão e o tomilho-limão, mexe-se com cuidado até ficar bem combinado. Coloca-se este preparado sobre o centro da massa já pronta e dobram-se as extremidades para dentro cobrindo apenas um pouco do recheio.
Bate-se o ovo para depois pincelar os rebordos da Galette e por fim polvilha-se por cima com o açúcar mascavado/demerara.
Vai ao forno 20 a 25 minutos, até a massa ficar cozida e bem douradinha.
Deixa-se arrefecer (se conseguir) e serve-se simples, decorado com os raminhos do tomilho-limão ou acompanhado de gelado de nata Ádelie.


Sou um pouco suspeita já que gosto de todas as minhas receitas (se bem que umas correm melhores que outras), mas até agora esta é a minha preferida. E acho que o resultado foi tão bonito.
Espero que experimentem, que gostem tanto quanto eu e que aproveitem bem este último mês de Verão, a próxima receita virá já em tempos de queda da folha e dos seus tons quentes!


Nota: todos os ingredientes estão disponíveis no seu Intermarché.

25.7.16

A receita do mês!

Para quem tanto se queixou do mau tempo e que o Inverno estava a ser interminável, o calor abrasador veio agora para ficar e pouco ou nada apetece fazer! Acho que a nível climatérico não há agora um meio termo, mas e porque este calor não convida a muitas utilizações do forno, a receita deste mês em parceria com o Intermarché é muito simples, prática e rápida mas ainda assim deliciosa para que se possa desfrutar num picnic, lanche no jardim ou após um almoço no terraço.





BOLO DE MIRTILOS COM CRÈME FRAÎCHE

Ingredientes:

130 gr de farinha sem fermento Chabrior
1 colher de chá de fermento Chabrior
1 pitada de sal marinho
1 pitada de canela Cigalou
115 gr de manteiga Terra de Sabores (à temperatura ambiente)
150 gr de açúcar Fazenda
1 colher de chá de aroma de baunilha Chabrior
2 Ovos do Monte - tamanho L
Raspa de 1 limão
375 gr de mirtilos Programa Origens (3 embalagens)
- Crème fraîche Páturages para acompanhar

Indicações:

Pré aquecer o forno a 180º C e untar uma forma redonda de 20 cm.
Envolver os mirtilos numa taça grande com uma colher de sopa de farinha e um pouco de sumo de limão (isto fará com que eles não "afundem" na massa enquanto coze).
Juntar numa taça os ingredientes secos (farinha, fermento, sal e canela), peneirar e reservar.
Bater a manteiga em velocidade média por cerca de 2 minutos até ficar cremosa, adicionar depois o açúcar e continuar a bater por mais 2/3 minutos até o açúcar se dissolver por completo e a mistura clarear e ficar macia. Juntar a baunilha e os ovos um de cada vez, batendo bem entre cada adição. Por fim juntar a raspa do limão.
Baixa-se agora a velocidade da batedeira para o mínimo e adiciona-se aos poucos a mistura dos ingredientes secos, apenas até ficar bem incorporado.
Deitar a massa na forma, dispondo por cima os mirtilos e vai ao forno por cerca de 1hora (a partir dos 50 minutos convém ir confirmando com um palito se já se encontra cozido).

Deixa-se arrefecer por completo e depois serve-se com crème fraîche (simples; batido com uma vagem de baunilha Chabrior ou um pouco de açúcar mascavado).





Depois é só desfrutar, enquanto durar :)

Nota: Todos os ingredientes disponíveis num Intermarché perto de si!





11.7.16

Época do Mirtilo

Ponto número 1: não entendo porque tanta gente, à partida bem informada, diz/pronuncia mal o nome deste fruto. Não chamem nomes ao mirtilo. Mirtilho (mirtillo) é italiano e mirtilio nem sequer existe!!
Questão arrumada, o mirtilo é uma planta medicinal. Pode usar-se no tratamento de diversas doenças, sendo o fruto que mais anti-oxidantes contém; previne várias doenças degenerativas bem como sinais de envelhecimento. Tem muitas vitaminas (A, B, C e K) e minerais (cálcio, ferro, magnésio, fósforo, potássio, zinco, selénio e manganês). É rico em fibras, não tem sódio nem colesterol e poucas calorias e açúcares. Pode portanto ser usado em doces, bolos e saladas, com gosto mas como em tudo moderação. Por aqui o mês está a ser dedicado a ele. Já fiz algumas experiências e mais serão feitas nas semanas que se seguem. A sua maturação este ano, tal como com todos os outros frutos, atrasou mas agora estão aí em força.


No nosso país o número de produtores de mirtilo tem vindo a crescer. A zona de Sever do Vouga é a que mais se destaca, inclusive já tem a sua feira anual (que este ano decorreu entre os dias 23 e 26 de Junho).
Mas mais perto de mim existe o "Paraíso dos Mirtilos", uma produção jovem localizada em Sta. Eufêmia (Castelo de Paiva). Fazem para além da produção do fruto um licor de mirtilo que vai muito bem a acompanhar uma fatia de bolo.
Contém com mais umas quantas experiências e exemplos do que pode ser feito com esta pequena mas preciosa baga.




26.6.16

Um aniversário especial

Este mês a publicação em parceria com o Intermarché é mais uma vez para assinalar um dia especial. Se até agora as receitas apresentadas serviram de inspiração para datas festivas como o dia dos namorados, dia do pai ou da mãe, desta vez é para celebrar um aniversário (que podem adaptar a qualquer celebração). Neste caso celebra-se o aniversário do Inter Saúde Penafiel, que não é apenas mais uma loja. Aqui encontram-se as melhores marcas e serviços e o sucesso ao fim de 11 anos assim o comprovam.




Agora que as laranjeiras voltam a cobrir-se de laranjas e a perfumar de novo os campos, este sabor torna-se mais do que apropriado para esta tão bonita celebração e porque se trata dum espaço de "saúde" a vitamina C vem mesmo a calhar.

Bolo de Laranja com recheio de chocolate e cobertura de mascarpone

Ingredientes

Para o bolo:
350g de manteiga sem sal
350g de açúcar amarelo
6 ovos L
400g de farinha com fermento Chabrior
100g de amêndoa moída Paquito
sumo e raspa de 2 laranjas Programa Origens

Para o recheio/cobertura:
250g de chocolate negro Ivoria
100g de manteiga
sumo de 1 laranja Programa Origens
3 gemas
250 de açúcar em pó





Indicações

Pré aquecer o forno a 170C e untar 2 formas de 22cm .
Bater a manteiga (que deve estar à temperatura ambiente) com o açúcar até ficar macio e pálido; juntar os ovos previamente batidos. Depois de bem incorporado adicionar a farinha e amêndoa moída e por fim a raspa e o sumo das laranjas.
Levar ao forno em duas formas médias cerca de 40/45 minutos.

Para fazer o recheio
Derrete-se o chocolate e a manteiga adicionando depois o sumo de laranja. Deixar arrefecer 5/10 minutos e juntas as gemas e o açúcar em pó batendo bem entre cada adição. Deixar arrefecer por completo antes de rechear e/ou cobrir o bolo.

- Pode adaptar este recheio/cobertura e fazer uma mais fofa ao estilo de mousse adicionando Mascarpone Páturages ao fudge (como foi feito na cobertura deste bolo de aniversário).
E para criar diferentes texturas e sabores pode alternar o recheio de chocolate com doce de laranja Paquito.

NB: todos os ingredientes estão disponíveis na sua loja Intermarché.



"Inter Saúde nas Galerias do Intermarché de Penafiel
11 anos de alta perfumaria, cosmética e maquilhagem. 11 anos de cores, aromas, texturas e sorrisos."

Muitos Parabéns!!





16.6.16

Reino floral

Não é que eu tenha por hábito escrever (já o tive, mas isso foram outras fases em que eu achava que poderia ter um futuro a escrever letras sombrias para músicas de rock. Chama-se a isso adolescência!), mas este mês está ser menos fértil e inspirador no que toca à escrita. É um pouco repetitivo e nada animador dizer isto mas os insuportáveis dias cinzentos, cheios de chuva mas sem graça e brilho tiram-me toda a vontade de fazer seja o que for... Não posso andar no exterior, não posso cuidar da minha horta, não posso passear com os meus cães e contemplar o sol, os campos e jardim, não posso andar de bicicleta. Conclusão, não posso fazer nada do que tanto gosto! Este mês a minha disposição está bem afectada e não há como o negar.
No entanto o trabalho "ao forno" continua a ser muito e para esse a disposição tem de mudar, apesar de que a inspiração tão baseada na natureza como é a minha esteja também diminuída. E o tempo infelizmente não dá para tudo e o meu trabalho é muito, tendo que deixar para segundo plano, neste momento, as publicações aqui. Peço que sigam na página de facebook onde para mim é mais fácil ir publicando fotos dos bolos que vou fazendo :)
Estes são alguns exemplos de bolos de aniversário feitos este mês; florais, delicados e até agora apenas femininos.


Os tons nude predominam neste bolo mas os tons fogo ajudam a compor um bolo de morango



E antes que o calor venha e o tempo dos amores perfeitos termine (o que está a demorar a acontecer este ano) um exemplo mais fresco na decoração dum bolo de lima